viver

Petiscos entre amigos

Duarte Pernes 11.01.2016

Exaltar em abstrato a baixa do Porto como um lugar onde, cada vez de forma mais evidentemente aprazível, se pode usufruir de um sem número de espaços comerciais e culturais, sejam eles noturnos ou diurnos, é cair num lugar-comum. Concedo. Mas fazê-lo neste primeiro parágrafo é também um introito indispensável para, adiante, concretizar o que pretendo.

Pessoalmente, os motivos que me levam até à baixa portuense, ao fim de semana ou nos chamados “dias úteis”, não serão com certeza muito diferentes dos das outras pessoas. Mas há um deles que merece realce e que, por norma, marca as minhas deslocações àquele lugar: La Bohème entre amis. É assim apelidado. Um nome nunca melhor aplicado, assinale-se.

Sozinho, mas sobretudo entre amis, o La Bohème vale uma passagem curta ou demorada, para jantar, cear ou simplesmente tomar uma bebida. Trata-se de um bar acolhedor, moderno e com uma decoração aprimorada, onde o bom ambiente reina, num registo animado e, geralmente, concorrido durante os fins-de-semana e sossegado nos outros dias.

Com um vasto leque de vinhos e petiscos, este é um estabelecimento que já se constituiu como um espaço de referência. Um elogio que não é de somenos, especialmente se for tida em conta a localização – em plena rua das Galerias de Paris, zona em que abundam outras atrações também elas muito requisitadas por turistas e locais.      

De entre os pratos e tapas à disposição, o cardápio é variado e irresistivelmente tentador: desde a sande de pernil (popularizada também pela Casa Guedes, na Praça dos Poveiros) ao cachorro quente em formato reduzido (especialidade, igualmente, do café Gazela, na Praça da Batalha), passando pela francesinha e pelos ovos estrelados com presunto e batatas fritas.

Em suma, uma verdadeira dream team dos petiscos mais célebres da Invicta, à qual só ficam a faltar as bifanas (de preferência, num estilo similar ao do restaurante Conga, na rua do Bonjardim) e as tripas. Tudo isto, com a possibilidade de ser acompanhado por um vinho, champanhe ou outra bebida (a sangria de frutos vermelhos é altamente recomendável) ao gosto de cada um.