viver

Aventuras de Hawking

Renato Ferreira 22.04.2016

Às sextas, às seis...um livro.

A sugestão de Renato Ferreira para esta semana é:

Quase que apetece dizer que a biógrafa, nascida 23 dias antes do biografado, também merecia uma biografia. Kitty Ferguson, que durante 20 anos teve uma carreira profissional na área da música, nutriu desde a infância um gosto pela astronomia e a física. Esse gosto pela ciência já a fez escrever obras biográficas sobre Pitágoras, Tycho Brahe, Johannes Kepler e Stephen Hawking.

“Stephen Hawking – Aventuras de uma vida”, livro que foi publicado na altura em que o cientista completou 70 anos de idade (inícios de 2012), é leitura obrigatória para quem quer conhecer melhor não só o homem e suas circunstâncias, mas também a ciência que ele ajudou a produzir. Um livro feito a partir de muita investigação, certamente, e algum tempo passado com o biografado, durante o qual, confessa a biógrafa, Stephen Hawking teve a “paciência” de “responder a algumas perguntas terrivelmente ingénuas”.

Confrontado com o diagnóstico de esclerose lateral amiotrófica aos 21 anos, e com o agravar da dificuldade de movimentos e comunicação, Stephen Hawking encontrou liberdade no desbravar científico através da sua mente. Terá sido até a perspetiva de uma morte precoce que o terá impulsionado para as contribuições científicas significativas no âmbito da cosmologia. E ele continua, segundo Kitty Ferguson, escrevendo em 2011, “pronto para continuar as suas aventuras enquanto ainda (…) [tiver] saúde e capacidade para comunicar… uma criança que nunca cresceu… ainda na fase dos «porquês»… encontrando ocasionalmente uma resposta que o satisfaz… durante algum tempo”.

Para mim, em relação a livros de divulgação científica deste cientista, tudo começou, quase que apetece dizer “claro está”, com a "Breve História do Tempo" – sucesso de vendas escrito por Stephen Hawking, que teve a sua primeira edição em português em 1988. Ou melhor: li não este livro, mas sim o “Breve História do Tempo Ilustrada”, cujas ilustrações serviram para aumentar ainda mais o entusiasmo pelo conteúdo. Seguiu-se “O Universo numa Casca de Noz”, passando pelo “The Grand Design”, que escreveu com Leonard Mlodinow, tendo terminado, para já, com uma autobiografia dele - o pequeno livro “A minha breve História”.

Como provavelmente já sabem, no filme “A Teoria de Tudo” Eddie Redmayne é Stephen Hawking, num papel que lhe deu o óscar de melhor ator principal. Quanto a documentários, aqui deixo um sobre o “físico, cosmólogo e qualquer coisa de sonhador”:


Relacionados

Tão longe, tão perto

Não é à toa que, recorrentemente, o Brasil é referido como sendo o nosso “país...

Continuar a ler Duarte Pernes   15.07.2018

S.O.S.Direitos Humanos

As múltiplas barreiras cooperação para o desenvolvimento, nomeadamente as...

Continuar a ler Hélia Saraiva   12.07.2018

Comentários

Não existem comentários ainda. Porque não ser o primeiro?

Novo comentário