viver

Amina & Guterres

Hélia Saraiva 28.12.2016

Sininho, Winnie the Pooh e Mulher Maravilha são nomes de personagens que ecoam nos nosso ouvidos, avivam as nossas memórias e os nossos desejos pelo motivo de nalguma ocasião terem estado presentes nas nossas vidas.

Haverá alguém que não tenha sonhado em vestir a pele de algumas delas ou possuir algum dos respetivos super poderes? São heroínas integradoras do nosso imaginário pelo motivo de sacudirem o nosso espírito e, simultaneamente, expressarem um desígnio irredutível de melhorarem o mundo. Por essa razão, foram nomeadas, em épocas distintas, embaixadoras honorárias das Nações Unidas.

A primeira, a fada Sinhinho, defendeu a ecologia; a segunda, Winnie the Pooh, representou a embaixada da amizade e a última exerce a função de embaixadora para o empoderamento das mulheres e das meninas até ao próximo ano. Os fundamentos apresentados para justificar a escolha da terceira personagem para empoderar o universo feminino foi sujeita críticas relacionadas com a sua inexistência empírica, a sua aparência e o facto de constituir um exemplo icónico da cultura popular, de feição capitalista. O teor dos argumentos críticos à nomeação da Mulher Maravilha revela que tanto o conceito de heroína como a sua imagem conceptual carece de ductibilidade, levando-nos a pensar, para os efeitos desta crónica, que essa valência é ilustrativa da necessidade de um critério de diferenciação exclusivo de alguns - escassos - seres humanos, em particular daqueles movidos por um imperativo social e moral.  Apraz-nos pensar que esse imperativo esteve presente na escolha, realizada por António Guterres, de Amina J. Mohammed para o exercício do cargo de Secretária Adjunta do Secretário Geral das Nações Unidas.

Admitimos que as pessoas menos familiarizados com as ações concretizadas pela nigeriana associam o seu nome a uma das três mulheres selecionadas para a equipa daquele: Maria Luiza Ribeiro Viotti e  Kyung-wha Kang. No entanto, os menos distraídos lembrar-se-ão que a qualidade notável do trabalho discreto da senhora é consentâneo com as diligências que proeficientemente desempenhou na qualidade de Ministra do Meio Ambiente na Nigéria, assessora especial de Ban Ki-moon para o desenvolvimento da sustentabilidade e para a implementação das Medidas de Desenvolvimento Sustentável que identifica graciosamente como os “seus dezassete filhos”. Paralelamente a estes cargos, a heroína gerou seis filhos, lecionou na Universidade Columbia, em Nova Iorque, e profere palestras com uma eloquência cativante.

 

Ouçamo-la:



Relacionados

Aprender e ensinar

Enquanto os professores lutam pelos seus direitos, um especialista pensa as escolhas...

Ver vídeo Ricardo Jorge Pinto   21.07.2018

Novos tempos

António Costa sabe que vêm aí novos tempos políticos. Com o PSD a aprovar uma lei...

Ver vídeo Ricardo Jorge Pinto   19.07.2018

Comentários

Não existem comentários ainda. Porque não ser o primeiro?

Novo comentário