viver

Porto, de abrigo...

Iara Vieira 26.02.2017

Não fazia sentido iniciar o meu percurso neste projeto sem antes falar de ti.

Tu, que foste a principal razão pela qual deixasse o meu ninho, a minha família, as minhas origens para embarcar nesta aventura que é a independência.

Começaste por ser uma cidade vizinha, uma realidade que apesar de separada por meros quilómetros me era longínqua.

Um pouco insegura mas arrisquei… e tu surpreendeste-me. Despertaste em mim um sentimento que mais nenhuma cidade, para mim estranha, no mundo despertou. Mostraste-me o verdadeiro sentido da palavra “casa”, palavra essa que antes de te conhecer, desconhecia.

Presenteaste-me com uma das melhores sensações do mundo, a felicidade e a paixão.

 A felicidade de acordar e ver o sol da manhã a refletir no rio que por ti passa, a felicidade de percorrer as tuas ruas cheias de vida e mesmo que cansativas, nunca me fazem cansar, e nada me faz cansar de ti.

E quem diz que és uma cidade sombria talvez nunca te tenha visto e, com certeza, não te conhece... não conhece a Rua das Flores, a Avenida dos Aliados, o Palácio de Cristal, a belíssima Foz. Agora cabe-nos a nós provar-lhes o contrário, mostrar-lhes a beleza de um pôr do sol no Jardim das Virtudes, um passeio à beira mar, um lanche no Parque da Cidade e o reflexo da tua luz nas casas que emolduram a Ribeira.

Porque o teu encanto está nessas paredes onde os outros só vêem a cor cinzenta e onde eu vejo e sinto história; a tua gastronomia é agora a minha cozinha. Porque a tua junção de terra e rio pintam os quadros mais encantadores que já apreciei.

E o teu sotaque, ah! o teu sotaque carregado de vogais abertas é agora o som que corre pelos corredores da minha casa. Porque o que um dia foi estranho, agora é o sítio onde anseio voltar sempre que me afasto.

Recebi uma aprendizagem que só tu soubeste dar. Apresentaste-me as pessoas mais sábias que um dia conhecera, os melhores amigos que um dia carregarei nesta enormíssima bagagem que me deste. E em ti, quem sabe, talvez encontrarei o amor da minha vida.

Só tenho que te agradecer e continuar a aproveitar toda a alegria que me trazes diariamente por seres simplesmente tu.

Porto, tu que és vida, energia e beleza és agora família, casa e saudade.

 

Mas hà alguém capaz de não ficar encantado contigo? 


Relacionados

Coletes amarelos

Os "coletes amarelos" são apenas um pretexto para muitos protestos e ainda mais...

Ver vídeo Ricardo Jorge Pinto   10.12.2018

Contracapa, página 6

Sugestão crítica do livro "O Crime do Padre Amaro" de Eça de Queirós

Continuar a ler Ana Marinho da Silva   10.12.2018

Comentários

Não existem comentários ainda. Porque não ser o primeiro?

Novo comentário