viver

Bullying Político

Renato Ferreira 03.08.2018

Tanta energia gasta a ensinar às crianças que não se deve maltratar os colegas de escola. Bullying é feio, e coisas do género. Mas uma boa parte da energia dessas mesmas pessoas é gasta a fazer bullying à classe política. Ah, e tal, que são uma cambada disto e daquilo. Defendem-se, se alguém como eu lhes entrega, por exemplo, este texto para ler, dizendo que realmente eles são uma cambada disto e daquilo…

Como sozinho posso pouco, trago para me ajudar neste momento Miguel Sousa Tavares e o que ele disse a Vítor Gonçalves, na RTP, na Grande Entrevista, há umas poucas semanas. O argumento, certeiro na minha opinião, do entrevistado, é o de que, ok, eu não sou político nem quero ser, mas agradeço quem queira ser porque a sociedade precisa de políticos. Simples e exato.

Das duas, uma: ou propõem vida em sociedade sem classe política, sem representantes, de forma a que isso aconteça de forma pacífica e ordeira de forma a permitir vida em sociedade saudável – e aí eu alinho nessa solução -, ou então têm de facto que agradecer que haja pessoas que ainda queiram dar o corpo às balas (e são muitas as balas; no mínimo é bullying) e que ingressam na vida política.

Não estou, obviamente, a passar um cheque em branco a quem vai para a vida política. Era o que faltava. Há que haver o escrutínio rigoroso, por parte do jornalismo e dos cidadãos, daquilo que “eles” lá fazem. Isso é correto. O que não é correto, na minha opinião, é adoptar uma postura supostamente de superioridade moral (mais ou menos como a que se calhar eu estou a demonstrar neste texto…) perante quem está no ringue, perante quem tem a coragem de agir, fazendo o que tem que ser feito. O que tem que ser feito não é linear, nem há só uma maneira de a fazer – mais uma razão para refrearmos o julgamento (principalmente o apriorístico).

 

Está mal feito? Se está, deixe de criticar e vá para lá fazer melhor! Não fique de fora a criticar negativamente tudo o que se tenta fazer. Eu, de minha parte, vou agradecer-lhe. Ou então também irei para “lá” tentar fazer o bem sem olhar a quem. Ou melhor, olhando a quem, porque há uns que precisam mais do que outros.


Relacionados

Herança de Hitler

Hitler determinou que os colaboradores do III Reich deviam receber pensões. As...

Ver vídeo Ricardo Jorge Pinto   22.02.2019

Moção inconsequente

Ao ser derrotada, previsivelmente, a moção de censura do CDS não teve utilidade...

Ver vídeo Ricardo Jorge Pinto   20.02.2019

Comentários

Não existem comentários ainda. Porque não ser o primeiro?

Novo comentário